Imagem 1523221514.jpg

Pequena voz - anotações sobre poesia

Imagem: Divulgação



2014-01-18

Um poeta não deveria falar de poesia – tem dela sempre uma ideia inútil para os outros. Poderá falar do procedimento quando escreve poesia, de como começa a música, quais os instrumentos do eco, do ritmo surdo no estômago, os seus «tudos» e «nadas» da saciedade.

O poeta ouve com atenção, desdiz e refaz as ataduras das coisas, assim comanda a estabilidade do mundo: porque a poesia garante uma ordem última que nunca se consumará, donde o requisito de limpidez, uma limpidez intransigente, violenta, se necessário.

Talvez as ideias que os poetas têm de poesia conformem uma espécie de metapoesia, útil à própria poesia.

Assim são os aforismos de Nuno Félix da Costa, poeta e fotógrafo português, psiquiatra e professor da Faculdade de Medicina de Lisboa.

Autor de vário livros, entre eles Cortex Frontal, Arte Última (poesia e fotografia), editado pela Casa Fernando Pessoa, Cinematografia (poesia) e Retratos de Hábito (fotografia), publicado pela Assírio e Alvim, Nuno prepara-se para o lançamento do seu novo título, ainda este semestre, em Portugal. Confira um dos capítulos de Pequena voz - Anotações Sobre Poesia, um ensaio em formato aforístico.




Os paroxismos da linguagem

1       A poesia nasce nos buracos do corpo onde fervem pequenas formas de vida, onde as imagens que vemos se moldam às interjeições. Não é o que sonhamos; a poesia desdenha o sonho – desabrochamento, descoberta mastigada, fios que a boca sopra ligam a teia a todas as coisas. O poeta dedilha-os, alguns rompem-se: música como leite.

2    Os trabalhos de Jouvet sobre a psicofisiologia da fase REM do sono ou sono paradoxal desmistificaram o sonho: mostraram como são prosaicos os conteúdos dos sonhos e relacionados com a manutenção funcional de programas motores essenciais à sobrevivência como os relacionados com a alimentação, a agressividade, a segurança e a ameaça, a reprodução e o sexo, mas a poesia do que mais fala?

3       Nada pertence tanto à linguagem como o sonho – sem ela o sonho é uma massa de surpresas que a memória...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Revista Pessoa
 



Sugestão de Leitura


Ualalapi

Numa voz entrecortada, chorosa, mas que ia ganhando força ao longo do discurso, como é próprio das pessoas que têm a m ...

Clara

   … são muitas as mulheres que mal a gente lhes diz, És muito bonita e é muito agradável estar c ...

A Violência das Letras

  Em junho de 1888, imediatamente após a publicação de O Ateneu, Raul Pompeia apressava-se em defender a necessidade ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM