Imagem

Festa literária em Sintra



2011-02-15

“Permanentemente mergulhada numa bruma que não se dissipa”, na definição do geógrafo árabe Al-Bacr, no século X, a histórica Vila de Sintra, no distrito de Lisboa, será o cenário de uma grande festa literária, com a participação de 30 escritores, nos dias 11, 12 e 13 de novembro.

A FLIS – Festa Literária Internacional de Sintra inspirou-se na FLIP para desenhar o seu formato, e tal como na Festa Internacional de Paraty, haverá palcos com temáticas variadas, moderados porconvidados. O diretor da primeira edição será o editor Manuel Alberto Valente.

A maior parte das iniciativas ocorre dentro do Centro Cultural Olga Cadaval. São 11 palcos, com temas como Loucura e criatividade, Eça de Queiroz e os políticos, Latitudes – narrativas da lusofonia, Especiarias – viagens e gastronomia, O amor é sexualmente transmissível (inspirado na frase do escritor brasileiro Marçal Aquino) e a A vida dos outros - redes sociais e voyeurismo.

O peso da lusofonia

Dos 30 escritores que vão participar da FLIS, 15 são lusófonos. Até hoje está confirmada a participação de Pedro Paixão, Francisco José Viegas, Valter Hugo Mãe, João Tordo, Ricardo Adolfo, José Eduardo Agualusa, Edson Athayde e Joana Amaral Dias. Fora do espaço lusófono, confirmaram presença, por enquanto, a espanhola Rosa Montero e o chileno Luís Sepulveda. A organização do evento está esperando ainda resposta aos convites feitos a escritores angolanos, moçambicanos e, sobretudo, brasileiros. “A literatura brasileira é referência para os organizadores, e a inspiração da FLIS, a FLIP. Desta forma, pretendemos que a participação brasileira seja significativa. Fizemos convites a vários escritores de diferentes gerações e estamos ansiosos por anunciá-los”, conta um dos diretores executivos, Gonçalo Boullosa.

Programação paralela: no Café Literário Saudade haverá entrevistas com escritores e showcases musicais. As editoras terão espaço para promover sessões de autógrafos, pequenos debates, além de lançamentos e vendas de livros.

Na noite de sexta-feira, dia 11, será prestado Tributo a Glauber Rocha, marcando os 30 anos da sua morte e de sua temporada em Sintra, com palestras, documentários e exibição da cinematografia do cineasta brasileiro.

Apesar das baixas temperaturas, a FLIS pretende manter o espírito da festa brasileira, tornando o Centro Cultural Olga Cadaval (na foto) um espaço aberto, dinâmico, com muitas atividades acontecendo nos intervalos das palestras.

“Sintra tem inverno mais rigoroso e menos convidativo ao exterior, como é o caso de Paraty. No entanto, vive uma atmosfera bucólica e um imaginário literário muito vasto”, diz Gonçalo.



Revista Pessoa
 



Sugestão de Leitura


Livro premiado em Portugal será publicado pela Todavia no Brasil

Romance de estreia de Itamar Viera Junior, Torto arado venceu o Prêmio Leya 2018 por unanimidade. O júri, presidido pelo e ...

Inscrições abertas para o Prêmio Leya de Literatura 2019

A edição de 2019 do Prêmio Leya receberá inscrições até o dia 30 de abril. O concurso internacion ...

Poesia liga Belo Horizonte ao Porto

A revista DiVersos, que publica poesia e tradução desde 1996 no Porto, em Portugal, dedica uma edição especial ao &ld ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM