Imagem 1488401879.jpg

Declaração de independência



2017-01-13

Fundei um país.

O meu país não tem nome, mas tem bandeira. No quarto dia deste ano, fotografei meu cachorro, o Gaspar, e decidi que 2017, no calendário das minhas astrologias, seria o Ano do Cão, que rege quatro virtudes cardeais: elegância, ternura, honra e altivez. As quatro estão representadas na bandeira do meu país, que tem as cores do Gaspar: preto (elegância), mostarda (honra), branco (ternura) e marrom-musgo (altivez). A primeira figura histórica do meu país foi a Tia Jupira, costureira de porta de loja na serra fluminense, que confeccionou a bandeira.

O meu país, portanto, foi fundado no dia 04/01/2017. Não gritei nada, porque não sou muito de gritaria. Estava de pijamas.

O meu país não tem fronteiras nem alfândegas. Sou eu andando, o meu país. Eu e as minhas porosidades. Logo, quando estou em solo internacional, não sou força invasora nem atento à soberania. De certa forma, embora eu mesmo seja o meu país, estou sempre em solo internacional. O meu país é a diluição de fronteiras.

O grande produto de exportação do meu país é o hálito, que em certos invernos pode ser visto a flutuar próximo à boca, com mais frequência se estou apaixonado. O meu país importa o ar dos países vizinhos e, segundo acordos firmáveis de boa-fé, o hálito e a saliva dos habitantes de outras nações.

O meu país é ingovernável.

O meu país não tem exército, mas é indevassável.

O meu país é a migração total. O comércio miúdo nas feiras, o café oferecido por gentileza, todas as línguas são o meu país – e sua mistura. Todo prato de comida é o meu país, arroz e feijão, sushi, babaganoush, samosas.

O padroeiro do meu país é Ogum, senhor das estradas, em cujas encruzas encontramos muitos outros deuses e lhes prestamos homenagens.

Todo e qualquer cidadão natural de outra nação pode se tornar o meu país. Toda nação pode se tornar o meu país. Toda canção pode ser o meu país.

O hino do meu país é a sua voz.

Vida longa ao meu país.



Victor Heringer

O poeta, cronista e ficcionista Victor Heringer  nasceu no Rio de Janeiro em 1988 e faleceu em 2018. Publicou Glória (7Letras, 2012, Prêmio Jabuti), O escritor Victor Heringer (7Letras, 2015), Lígia (e-galáxia, 2014), entre outros. Colaborou para a revista Pessoa entre 2013 e 2017.




Sugestão de Leitura


Memórias do escritor Victor Heringer vestido de mulher

Nova Friburgo (RJ), avenida Alberto Braune. Carnaval de 2003 ou 2005, por aí. Um repórter de TV entrevista um adolescente rechonchu ...

Fantasia de finlandesa

Me deixem ir, preciso me enfurnar num monastério. Não acredito muito em Deus, mas não importa; é só um detalhe ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM