Imagem 1493052082.jpg

Viva o povo brasileiro

Grupo de prisioneiros - Guerra de Canudos. Flávio de Barros/Acervo Museu da República



2017-04-24

Romance de João Ubaldo é uma contundente sátira aos donos do Brasil

 

Uma assimetria de base sustenta o monumental Viva o povo brasileiro (1984), com que João Ubaldo Ribeiro coroou a experiência de sua ficção anterior, aliás sua obra como um todo. Talvez numa imitação do próprio movimento da História, o espaço dedicado a certas personagens compensa as inúmeras lacunas e os fios soltos, o muito que não coube nas 673 páginas do romance.

Como sátira da classe dominante baiana, protótipo do que viria a ser a “elite” brasileira, a obra não poderia ser melhor. Desde o barão de Pirapuama, falso herói da Independência que foi sempre o maior dos sacripantas, até os descendentes de Amleto Ferreira, esbulhador e multiplicador, em benefício próprio, da riqueza daquele nobre fajuto, o leitor acompanhará uma crônica ao longo da qual a rapina e a hipocrisia serão sistematicamente recobertas pelo verniz dourado da propriedade. É assim que Bonifácio Odulfo, a princípio um obscuro poeta ultrarromântico da província, se torna o paradigma do pseudocapitalismo brasileiro, acabando por estabelecer os vultosos negócios da família num Rio de Janeiro às...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Eloésio Paulo

Nasceu em Areado, Minas Gerais. Doutorou-se em Letras pela Unicamp em 2004. Publicou Literatura e ideologia em dois romances dos anos 1970 (2014), Os 10 pecados de Paulo Coelho (2007) e Teatro às escuras (1997), além dos livros de poemas Primeiras palavras do mamute degelado (1990), Cogumelos do mais ou menos (2005), Inferno de bolso etc. (2007), Jornal para eremitas (2012) e Homo hereticus (2013). Foi resenhista de O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e O Globo. Pela editora Dubolsinho, publicou em 2010 Parque de impressões, poemas para crianças. No site da revista Pessoa, Eloésio publica resenhas de romances dos séculos XIX e XX, que integrarão seu próximo livro, o Pequeno guia do romance brasileiro.




Artigos Relacionados


Caminhos cruzados

  Terceiro romance de Erico Verissimo, Caminhos cruzados (1935) já contém todos os ingredientes da técnica narrativa ...

Memórias da rua do Ouvidor

  Seja uma excessiva licença chamar romance às Memórias da Rua do Ouvidor (1878), de Joaquim Manuel de Macedo: h&aac ...

O grande mentecapto

  Fernando Sabino arriscou-se a escrever um segundo romance mais de duas décadas depois de ter publicado O encontro marcado (1956) ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2018 REVISTAPESSOA.COM