Imagem 1504898059.jpg

Pedra Bonita

Foto de Igor Ovasyannykov



2017-09-08

Livro que inicia o Ciclo do Cangaço é narrativa sem projeto e sem rumo

 

O fanatismo religioso, que desde Os sertões (1902) se tornou um tema medular na literatura de viés sociológico, poderia ser a grande força motriz de Pedra bonita (1938), com que José Lins do Rego parece ter pretendido iniciar um novo ciclo de romances, afinal encerrado por Cangaceiros (1953). Infelizmente, porém, a obra não conta com nenhuma força motriz significativa.

Pedra bonita é dividido em duas partes, “A vida do Açu” e a que dá título ao livro. Na primeira, o narrador apresenta essa cidadezinha pernambucana com sua vida miúda, os dias sempre iguais marcados pelas badaladas do sino da igreja, a cargo do coroinha Antônio Bento, que se anuncia o protagonista, uma vez que os principais fatos são apresentados ao leitor por meio do que esse rapaz pensa e sente. E Antônio Bento é afilhado do padre Amâncio, verdadeiro exemplo de dedicação ao sacerdócio. Ou seja, personagem idealizada à moda romântica.

Nada de muito importante ocorre na vila, e a narrativa é pontuada pela referência constante a uma tragédia ocorrida um século...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Eloésio Paulo

Nasceu em Areado, Minas Gerais. Doutorou-se em Letras pela Unicamp em 2004. Publicou Literatura e ideologia em dois romances dos anos 1970 (2014), Os 10 pecados de Paulo Coelho (2007) e Teatro às escuras (1997), além dos livros de poemas Primeiras palavras do mamute degelado (1990), Cogumelos do mais ou menos (2005), Inferno de bolso etc. (2007), Jornal para eremitas (2012) e Homo hereticus (2013). Foi resenhista de O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e O Globo. Pela editora Dubolsinho, publicou em 2010 Parque de impressões, poemas para crianças. No site da revista Pessoa, Eloésio publica resenhas de romances dos séculos XIX e XX, que integrarão seu próximo livro, o Pequeno guia do romance brasileiro.




Artigos Relacionados


Caminhos cruzados

  Terceiro romance de Erico Verissimo, Caminhos cruzados (1935) já contém todos os ingredientes da técnica narrativa ...

Memórias da rua do Ouvidor

  Seja uma excessiva licença chamar romance às Memórias da Rua do Ouvidor (1878), de Joaquim Manuel de Macedo: h&aac ...

O grande mentecapto

  Fernando Sabino arriscou-se a escrever um segundo romance mais de duas décadas depois de ter publicado O encontro marcado (1956) ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2018 REVISTAPESSOA.COM