Imagem 1529938136.jpg

Impunidade

Foto: Maria João Cantinho. Divulgação



2017-09-10

Flagrante literário de Maria João Cantinho, professora, ensaísta, poeta e crítica portuguesa.

Há dois anos descobri a escrita de Helder G.Cancela, com o seu romance Impunidade. É importante frisar a qualidade da sua obra, pois, por motivos inexplicáveis, ela não está no roteiro dos autores de que mais ouvimos falar e constitui um dos mais interessantes livros que li ultimamente. Possui uma rara capacidade de (nos) tocar através da abordagem dos grandes problemas contemporâneos da identidade europeia (a história passa-se em Espanha e foca-se na personagem de um rapaz filho de uma espanhola e de um marroquino), a violência dos jovens europeus de segunda geração, face à cultura e aos costumes da Europa Ocidental. Cancela é um autor visionário, nesse sentido, que faz a diferença, relativamente aos escritores da sua geração. Professor de Estética e de Filosofia, a sua escrita encontra-se eivada de uma profunda capacidade de reflexão que se alia à sua extraordinária escrita, escorreita e sem artifícios, poderosa e imagética.

 

Profano, profano, profano. Profano o tempo, profana a terra, profana a língua, profana a lei. Tempo e terra, língua e lei, sem outro tamanho que não aquele que por si próprios possam produzir. Causa e consequência, circunstância, condição, isso que a si mesmo, e contra a estrita ideia de civilização, se pesa, se mede e se diz. Contra a civilização, contra a culpa, contra a língua, contra a lei. Contra a proibição inscrita na carne como coisa congénita.

 

 

Trecho do livro: A Impunidade
Autor: Helder G. Cancela
Editora: Relógio D'Água

 

Se você quiser compartilhar sua leitura no Flagrante delitro, veja aqui como participar.

 



Revista Pessoa
 



Sugestão de Leitura


Portugal, Miguel Torga

  Antes das descrições densas dos antropólogos, havia escritores que interrogavam gentes e paisagens para entender a ...

Dois contemporâneos

  Leio sempre vários livros ao mesmo tempo. Livros de poesia, em especial, vão e voltam. Leio uma primeira vez, mas depois ...

O Lobo Guerrilheiro

 Telúrico, erudito, ora rude prosador como uma torga, ora delicada pena que baila na brisa, Bento da Cruz, português da aldeia ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM