Imagem 1515501938.jpg

Reduzindo palavras, formando a língua

Foto: Oscar Sutton



2018-01-06

 

Se a tese for de uma ala mais conservadora, gramaticófila, vai dizer do absurdo que isso é e de como isso representa o assassinato da língua portuguesa. Se a tese for dos linguistas menos passionais, é possível encontrar análises mais descritivas e uma conclusão mais sossegada sobre as mudanças pelas quais a língua normalmente passa. Lembrando que essas abreviações impactam a escrita, se é que impactam, e não a fala. Bom, a fala é outro longo assunto.

 

Uso OK para quase tudo. Você não usa não? Acho impressionante como uma palavrinha dessas pode ser compreendida ao redor do mundo, se bobear. Até como gesto é capaz de ser compreensível em todo canto. (Quando eu fazia “joia”, com o dedão, para minhas amigas chinesas, elas riam e não entendiam lhufas... mas quando eu fazia OK, que no Brasil é meio ofensivo, elas sacavam na hora, sem se ofender nadica. Eu é que achava engraçado).

Mas o que é OK? Se a gente recorrer à Wikipédia, vai encontrar lá uma lista de possibilidades para a origem do OK, sem grandes conclusões: uma espécie de corruptela de olles kloer, do baixo alemão, para all correct, em inglês (tudo certo, em bom português). Mas pode não ser nada disso. A Wikipédia dá o OK como acrônimo, que é quando a gente só fala as primeiras letras da expressão. Tem acrônimo a dar com pau na nossa vida: OMG, ONG, PBH, BNH, CEF,...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ana Elisa Ribeiro

Ana Elisa Ribeiro nasceu em 1975, em Belo Horizonte, cidade onde vive. É autora de livros de poesia, conto, crônica e literatura infantojuvenil, por diversas editoras brasileiras. Bacharel e licenciada em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais, onde também se formou mestre e doutora em Estudos Linguísticos.É professora e pesquisadora nos campos da Linguística Aplicada e da Edição, no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais.




Sugestão de Leitura


Piriri pororó: uma séria proposta de substituição

  Outro dia reparei na quantidade de etc. que as pessoas usam ao falar ou escrever. Será coisa de gente culta? Também nos t ...

Corrigir e comentar: uma travessia

  Corrigir é o termo que a gente usa quando algo está errado. Usa-se corrigir para texto, para tudo o que é desvio, ...

Bora aportuguesar?

  Simpatizo mesmo. Simpatizo com essas práticas sociolinguísticas desbragadas em seu jeito de serem nacionalistas ou qualqu ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2018 REVISTAPESSOA.COM