Imagem 1517856821.jpg

A inútil busca do inútil

Imagem: Divulgação



2018-02-07

 

A impotência diante do imprevisível pode ser consoladora, se analisarmos que o destino costuma ser mais engenhoso e menos cruel do que nós em suas escolhas. Além de nos presentear com a ilusão de que não somos responsáveis por tudo que nos ocorre.  

Irineu Franco Perpétuo, jornalista e tradutor brasileiro, especialista em música clássica, em entrevista a Evandro Affonso ferreira

 

Evandro Affonso Ferreira – Henri Michaux, numa intromissão psicográfica, exigiu que ele mesmo fizesse a primeira pergunta: Quem nos compensará do frio da existência?

Irineu Franco Perpetuo – Ninguém.

 

Evandro – Será que o amor, esse amor que nós, poetas desavisados, cantamos em verso e prosa, só existe naquela cidadezinha que se chama algures, cuja capital é alhures?

Irineu – O amor existe aqui e agora, porém nos empenhamos constantemente em exilá-lo.

 

Evandro – Envelhecer é tentar abafar, inútil, a todo instante, sinos fúnebres pretéritos?

Irineu – Envelhecer é constatar a progressiva inutilidade desse abafamento.

 

Evandro – Catastrófico... Somos, nós mesmos, nossas próprias bombas atômicas?

Irineu – Somos, porém bombas de detonação demasiado lenta.

 

Evandro – Vivemos realmente? Ou... esses nossos respiros são dissimulações da morte?

Irineu – Dissimulações pouco convincentes, diria eu.

 

Evandro – Cultivar perdas? Empresa árdua, árida?

Irineu –  Cultivar perdas é o cotidiano do viver, e o que o faz ser tão insuportável.        

  

Evandro – Nós sem Deus? E ele sem nós? (Tudo isso, claro, se nós e ele existíssemos).

Irineu – Relação desequilibrada: definimo-nos pela ausência de Deus, enquanto ele...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$0,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Evandro Affonso Ferreira

Evandro foi redator publicitário até 1990, quando sofreu um infarto e abandonou a publicidade para se dedicar à literatura. Estreou com o livro de humor Bombons Recheados de Cicuta, renegado pelo autor. Em seguida publicou Grogotó. O mineiro de Araxá teve em São Paulo os sebos Sagarana e Avalovara. Em 2010, ganhou o Prêmio APCA de melhor romance com Minha Mãe se Matou Sem Dizer Adeus e o Prêmio Jabuti de 2013 com O Mendigo que Sabia de Cor os Adágios de Erasmo de Rotterdam. É também autor de Os Piores Dias de Minha Vida Foram Todos. 




Artigos Relacionados


Antonio Geraldo: "a literatura é uma fábrica falida de gazuas"

  Evandro –Marina Tsvietaieva: Até aos quatro anos, segundo testemunho de minha mãe, só dizia a verdade; depoi ...

"Uma barulheira danada a cada eu perdido pelo caminho"

  Evandro Affonso Ferreira – E essas telhas que vão se quebrando pelos caminhos? Vida é casa destelhada carente de re ...

Alcir: "A esperança radical vive de resultados improváveis"

  Evandro Affonso Ferreira - Morte... E a morte, Alcir? Provoca-lhe estupores, medo? Ou é apenas vazio definitivo depois dessas in ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2018 REVISTAPESSOA.COM