Imagem 1535992052.jpg

O Brasil na fogueira

Foto: Museu Nacional do Rio de Janeiro em chamas. Agência Brasil



2018-09-03

Tudo isso é para constatar que o incêndio do Museu Nacional não foi uma fatalidade, um acidente de percurso como os que podem ocorrer em qualquer lugar, a qualquer hora. Foi sina e destino. A consequência inevitável de um desleixo que não data de hoje mas que atingiu patamares insuportáveis nos últimos dois anos.

 

A destruição do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, é uma perda de proporções incalculáveis. O amplo destaque dado ao fato pela imprensa mundial talvez surpreenda muita gente, Brasil afora. Imagino um dentista em Maceió, uma dona-de-casa em Ribeirão Preto, um funcionário público em Brasília, uma taxista em Belém, um juiz em Curitiba vendo as imagens na televisão e pensando com seus botões: “poxa, nem sabia que esse museu era tão importante”. Pois, fiquem sabendo que era. Era de um valor que não dá nem para começar a dimensionar sem o devido preparo. Qualquer pessoa que fez uma faculdade de Museologia, uma pós-graduação em Antropologia, um doutorado em História, ou outro curso assemelhado, terá condição de explicar o tamanho da catástrofe. Está naquela rara categoria de acontecimentos que, mesmo sem provocar nenhuma morte, equivale a uma tragédia para a humanidade. Em coisa de duas horas, deixaram de existir para sempre milhões de artefatos insubstituíveis e um legado de...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Rafael Cardoso

É escritor e historiador da arte, PhD pelo Courtauld Institute of Art (Londres). Seu livro mais recente é O Remanescente, publicado em 2016 pela Companhia das Letras e traduzido para alemão (S. Fischer) e holandês (Nieuw Amsterdam). É autor de mais três livros de ficção e co-roteirista do longa-metragem Maresia (dir. Marcos Guttmann, 2016). É também autor de diversos livros sobre história da arte e do design no Brasil, incluindo Design para um mundo complexo (Cosac Naify, 2012). Atua ainda como curador independente, responsável, entre outras, pelas exposições Do Valongo à Favela: Imaginário e periferia (Museu de Arte do Rio, 2014). E colaborador do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mora atualmente em Berlim. Fotografado por Patricia Breves.




Sugestão de Leitura


Todos sabem o que está por vir

  Algumas pessoas que votam em Jair Bolsonaro andam reclamando das comparações reiteradas entre a trajetória de seu ...

A caricatura do mal

  Faz pouco tempo, coisa de dois meses, que o governo Trump acionou sua política de tolerância zero com a imigraç&ati ...

Onde estão os leitores?

  O encolhimento do mercado editorial brasileiro, relatado mês passado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econ&ocir ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2018 REVISTAPESSOA.COM