Imagem 1547464724.jpg

Língua matada, língua vivida

Foto: recorte da capa de



2019-01-14

Por muito tempo, Molloy escreveu apenas crítica literária. Não se permitia a ficção. Até que se arriscou, primeiro em espanhol, língua de sua terra natal. Enquanto isso, o inglês restou como língua prática, a língua cotidiana de seu exílio – ela mora há mais de quarenta anos nos EUA, onde deu aulas em Yale e Princenton. Atualmente é professora emérita na Universidade de Nova York). Se, por um lado, o inglês é língua de exílio, é, em tudo o que a cerca, dá chão e céu, a língua do retorno ao lar primordial, onde, paradoxalmente, o contato com o que é outro é seu por herança, formador de si em tradução contínua. Para essa argentina descente de ingleses pelo lado paterno, o inglês é também língua da lembrança de seu pai: “Traduzi-me”, says.

 

Em todo domínio que o escritor tem da própria língua habita a desconfiança desse mesmo domínio. Na fronteira do que é geminado está o encontro entre o familiar e o estranho, o estranho familiar; aquilo que nos traduz como se fosse nós mesmos a nos escrever numa língua na qual somos balbuciantes, ainda que a compreendamos no que nos escapa. O que dizer então das certezas sobre o quê e como dizer de quem o faz a partir da referência de diferentes línguas? Sylvia Molloy conta em seu Viver entre línguas, lançado no Brasil pela Relicário, que sempre escreveu fora: “na intempérie”, tomando de empréstimo a “intempérie (unhoused)” que aparece em outro capítulo desse mesmo livro numa citação de Steiner sobre a tarefa do tradutor.

Sylvia Molloy exige do leitor o voltar-se para esse lá fora. Mas não deixa de chamar a atenção como o faz a partir de um lugar que se pode considerar uma casa que a habita. (E...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Luciana Araujo Marques

É mestre em Teoria Literária (USP) e doutoranda em Teoria e História Literária (Unicamp). É jornalista e atua no mercado editorial. Está entre os autores selecionados pelo programa Rumos Literatura, do Itaú Cultural, que teve como objetivo apresentar novos nomes da produção crítica brasileira com foco na produção literária contemporânea do Brasil, tendo como resultado a publicação do livro de ensaios "Protocolos Críticos" (2009).




Sugestão de Leitura


Ler para Borges

Há em Uma história da leitura (1996), de Alberto Manguel, uma série de imagens de leitores. Na abertura da obra, dezoito del ...

"Muitas vezes eu teria desejado racionalmente controlar o meu desejo, mas ele picava-me, inquietava-

  Portuguesa nascida em Moçambique é a Isabela Figueiredo, autora de Caderno de memórias coloniais, e também ...

Leitores de James Benning

  James Benning é um diretor de cinema independente norte-americano. E esta não é mais uma crônica sobre filme ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM