Imagem 1553845602.jpg

Uma menina que não era minha mãe

Foto: Lenira. Praia de ponta negra, Natal. Acervo do autor



2019-03-29

E agora, quando penso na minha mãe, quando ela já cruzou a barreira dos 80 anos, penso na infância que ela teve nas dunas movediças de Natal, a cidade em que ela nasceu. Penso nela como um livro inconstante, incalculável. Feita de outros livros e vertiginosa, mergulhada nas noites míticas de sua infância e juventude numa cidade que ela conseguiu preservar dentro de si, através de suas páginas, até hoje. Vidas inteiras de amigos e irmãos são capítulos dessa vastidão. Sua desolação e saudade e desencontro e reencontro.

 

Meu pai estava na UTI, nos estágios finais da doença que o levou do mundo, o mundo pelo qual ele tanto andou. Fui até lá, ao Recife, não para despedir-me porque a despedida foi longa, aos poucos e de poucas palavras. O que dizer a quem está morrendo? Fui até lá para estar com minha mãe, Lenira, a outra remadora desse barco em que seguíamos. Nessas horas dizemos que estamos tristes. Acreditamos mesmo nisso. Mas creio que é mais complexo, envolve mais sentimentos… Vazios se abrem, portas se fecham. Imagens ficam em suspensão. Confusos, certamente ficamos. Mas nessa confusão eu tive a luz de ter uma câmera comigo.

Na morte do meu pai compreendi, de maneira mais clara, que morria ele e com ele a sorte de universo que ele contemplou. Morriam histórias que ele não contou, que eu não escutei dele. Trivial essa percepção, talvez. Jorge Luis Borges comenta numa pequena crônica sobre o que morre com as pessoas quando...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Toinho Castro

Potiguar de Pernambuco e radicado Carioca! Assim define-se Toinho Castro, que nasceu em Natal, no Rio Grande do Norte, cresceu no Recife e migrou para o Rio de Janeiro aos 30 anos. Tudo em meio à uma família de poetas, músicos artistas. Além da poesia, trabalha com design gráfico, fotografia, vídeo e outras mídias; faz filmes (Viagem a Marte, Avenida um, Vai, foguete, entre outros) e publica versos por aí. Organizou e participou da coletânea de poemas Lendário Livro, com Aderaldo Luciano, Braulio Tavares, Nonato Gurgel, Numa Ciro e Otto. Seu trabalho enquanto poeta está ligado à construção da memória como espaço de compartilhamento, em que a poesia media uma troca vivências, percepções e expectativas. 

 

 

 



Sugestão de Leitura


Norturno

Debruçado na janela, olho o resto de cidade que me resta e seu céu recortado, delineado pelos prédios ao redor, maiores que ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM