Imagem 1554026631.jpg

31 de março de 1964: Um autoritarismo feito de paradoxos

Leitura do AI-1 pelo general Siseno Sarmento. Assinado em 9 de abril de 1964



2019-03-31

Os defensores do golpe de 1964 costumam dizer que todos os excessos praticados por torturadores se justificavam, por se tratar de uma guerra. Na verdade, se guerra fosse, deveriam ter sido respeitados os termos da Convenção de Genebra referentes aos “prisioneiros de guerra”. Não foi o que ocorreu. O próprio termo guerra não era usado com rigor pelos profissionais da própria guerra. Dando aos seus adversários o nome de terroristas, eles se outorgavam o direito de tratá-los desumanamente.

 

A história do brasil é uma história de continuidades. Como não ocorreram rupturas revolucionárias verdadeiras ao longo da formação do Estado brasileiro, é muito comum verificar que atores importantes de um período aparecem também em acontecimentos marcantes do período posterior, carregando consigo ideologias e interesses não superados, pendengas não resolvidas, cobranças não pagas. Foi assim desde quando um golpe militar derrubou o regime monárquico em 1889 e instaurou uma república capenga, que nasceu cheia de achaques e se arrastou desacompanhada de reais instituições democráticas. Se bem que falar em democracia no início do século XX já pressupõe um punhado de...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ivone Benedetti

Ivone Benedetti (São Paulo, 15 de fevereiro de 1947) é escritora e tradutora brasileira. É doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (USP), tendo defendido sua tese sobre poesia medieval francesa, em 2004. Seu primeiro romance, Immaculada, foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2010. Seu segundo romance, Cabo de Guerra, mistura ficção e realidade, tratando de modo complexo o tema da ditadura militar no Brasil.Atua no mercado editorial desde 1987. Traduziu, entre outras, obras de Honoré de Balzac (Eugénie Grandet, Ilusões perdidas), Giovanni Boccaccio (Decamerão), Umberto Eco (Número Zero) e Antoine de Saint-Exupéry (O Pequeno príncipe). Criou cursos para tradutores e organizou o Dicionário Martins Fontes de Italiano.




Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM