Imagem 1554113929.jpg

amor e revolução. 2

Hospital Colônia de Barbacena. Foto de Luiz Alfredo, 1961



2019-04-01

tudo sendo nesse país um processo tortuoso. uma Barbacena. um Hospício Geral. que mistura definitivamente em nós toda e qualquer conduta subjetiva – a do prazer, a do excesso, a do gozo, a do sexo. tudo isso. nas mãos do abuso. do poder. como ainda amar num país que nunca entendeu que o amor será sempre um desvio. um desvio. de conduta. de rota?

 

as violências simbólicas,
condizentes na maior parte das vezes
com as violências físicas,
modelam as subjetividades que,
não importa em qual colônia,
são, ipso facto,
parcialmente ou totalmente negadas.

Seloua Boulbina

 

 

olhe para a guerra. a guerra. há guerra por toda parte. há guerra. a guerra nos separou.

você disse que encontraríamos uma saída. mas tudo apareceu já devastado. [ele disse].

entre nós? [ela pergunta]. não sei mais. [ele responde].

talvez o tempo do amor ainda insista em tocar no ponto sobre o qual nos dissolvemos. tempo do quando ainda não podíamos ser. e nem queríamos. tudo parecendo possível e impossível. [ela...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ana Kiffer

É Professora da Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade da PUC-Rio, Cientista do Estado pela FAPERJ e Bolsista de Produtividade no CNPq. Curadora convidada da Bienal de SP 2021. É escritora, com livros como Tiráspola e Desaparecimentos, Editora Garupa, 2016, A punhalada, 7Letras, 2016, Todo Mar, Urutau, 2018; colunista da Revista Literária Pessoa, pesquisadora da obra do escritor francês Antonin Artaud, vem desenvolvendo há muitos anos uma investigação sobre os diversos modos de relação entre os corpos e a escrita. Autora do livro Antonin Artaud, EDUERJ, 2016, e com Gabriel Giorgi Ódios Políticos e Politica do Ódio, RJ: Bazar do Tempo, 2019 e Las Vueltas del ódio, BA: Eterna Cadência, 2020. Organizadora do livro A Perda de Si – cartas de A. Artaud, Rocco, 2017; e das coletâneas Sobre o Corpo 7Letras, 2016, Expansões Contemporâneasliteratura e outras formas, com Florência Garramuno, UFMG, 2014, entre outros artigos e ensaios.  Fotografada por Aline Macedo.




Sugestão de Leitura


Escrever desde o Sul. 9

  com o coração na garganta   a gente lembra com a perna o quanto o tempo parou "Vingar", de Da ...

escrever desde o Sul. 8

  nunca conheci o meu avô paterno. Sebastiao Kiffer, o Coca. meu pai, que cada vez mais vem se lembrando da sua infânci ...

escrever desde o Sul. 7

  quando se perde um amor, ou a ideia de um amor, ou um possível amor, ou uma possibilidade quiçá de que isso seria ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM