Imagem 1557220381.jpg

Portugal, Miguel Torga

Na foto: Carlos Kessel. Divulgação



2019-05-05

Flagrante de leitura do historiador e diplomata Carlos Kessel

 

Antes das descrições densas dos antropólogos, havia escritores que interrogavam gentes e paisagens para entender as próprias sensações diante dos lugares que percorriam. Dentre os que tratavam da própria terra, quando criticar é ferir e se ferir, poucos tiveram a força que teve Miguel Torga. De obra vasta e consagrada, fez isso com maestria numa brochura de título banal e corriqueiro - há coisa mais óbvia que chamar de "Portugal" as 97 páginas que escreveu sobre o país? Não devem, aliás, corresponder nem a um por cento do que publicou.

Li o livro pela primeira vez entre duas sentadas, das que começam no aeroporto e acabam na poltrona do avião; ficou em mim a lembrança da concisão, rústica e poética. Quis lê-lo outra vez depois de ter visto a terra (em) que Torga viveu. Acertei: anos depois, vou saboreando linha por linha, pesando cada palavra, indo e voltando, às vezes recitando alto, pois é livro sonoro, de ser lido e ouvido. Miguel Torga não escolheu o pseudônimo à toa: torga é uma urze bravia, comum nas penedias trasmontanas em que nasceu. Me ocorre que o livrinho áspero que publicou em 1950 acabou ensombrando os guias turísticos que vieram antes e depois, pobres deles.

 

*

Trás-os-montes

 

"Um mundo! Um nunca acabar de terra grossa, fragosa, bravia, que tanto se levanta a pino num ímpeto de subir ao céu, como se afunda nuns abismos de angústia, não se sabe por que telúrica contrição. Terra Quente e Terra Fria. Léguas e léguas de chão raivoso, contorcido, queimado por um sol de fogo ou por um frio de neve. Serras sobrepostas a serras. Montanhas paralelas a montanhas. Nos intervalos, apertados entre os lapedos, rios de água cristalina, cantantes, a matar a sede de tanta aridez.

Homens de uma só peça, inteiriços, altos e espadaúdos, que olham de frente e têm no rosto as mesmas rugas do chão. Bata-se a uma porta, rica ou pobre, e sempre a mesma voz confiada nos responde: Entre quem é! (...) Acossados pela necessidade e pelo amor da aventura, aos vinte anos (se não tiver sido antes), depois da militança, alguns emigram para as Arábias de além-mar. Brasis, Áfricas e Oceânias. (...) Os que ficam, cavam a vida inteira. E, quando se cansam, deitam-se no caixão com a serenidade de quem chega honradamente ao fim dum longo e trabalhoso dia. E ali ficam nuns cemitérios de lívida desilusão, à espera que a lei da terra os transforme em ciprestes e granito."

 

Excerto do livro: Portugal
Autor: Miguel Torga (1907-1995) 
Editora: Leya - 2015 (10ª Edição)

 

Se você quiser compartilhar sua leitura no Flagrante delitro, veja aqui como participar.



Revista Pessoa
 



Sugestão de Leitura


Soneto do pássaro

      Compre livros na plataforma online da Blooks, livraria parceira da revista Pessoa.  Se você ...

Sobre a solidão e o efêmero

        Se você quiser compartilhar sua leitura no Flagrante delitro, veja aqui como particip ...

Racismo em Portugal

  A discussão sobre o racismo em Portugal está minada por ditos e contraditos acessórios, que relegam para segundo p ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM