Imagem 1578402448.jpg

Regras transitórias e usos desregrados

Foto: Florian Klauer



2020-01-07

Se o texto literário pode transgredir, como considerá-lo “correto”? Por que deveríamos seguir justamente o exemplo de escritores? A imprensa é mais confiável do que isso? Que imprensa? De onde poderiam ou deveriam vir os exemplos melhores sobre a língua que deveríamos aprender e usar? A língua que usamos precisa se aproximar da que escrevemos?

 

Tenho um amigo que fica muito irritado com as coisas que ele lê. Mas não qualquer coisa. São essas que soam diferentes – das dele – e as que ele acha que estão erradas ou as que o surpreendem de um jeito curioso. Mas é divertido vê-lo se debatendo contra os textos, que, em geral, são literários. Penso: essa danada dessa literatura.

Quando eu era bem jovem, lembro de aprender sobre língua, norma, cultura e certo&errado nas aulas de Português ou Língua Portuguesa (ou outros nomes que dão por aí afora, ao longo da história da educação escolar, sempre lutas ideológicas)....

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ana Elisa Ribeiro

É mineira de Belo Horizonte, onde trabalha e reside. É professora e pesquisadora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, onde atua na área de Linguagem e Tecnologia, em três níveis de ensino. Publicou mais de trinta livros para crianças, adolescentes e adultos, sendo os mais recentes os poemários Álbum (Relicário, 2018) e Dicionário de Imprecisões (Impressões de Minas, 2019). É colunista do Digestivo Cultural e da Revista Pessoa. Fotografada por Sérgio Karam.




Sugestão de Leitura


Bye, Pessoas

  Obrigada. Eu vim aqui me despedir. Talvez eu tenha aprendido, na escola ou com minha mãe, que em despedidas a gente diz tchau, a ...

Um porquê só, e olhe lá

  Se tem uma palavra entojada em português é o porquê. Ao menos aqui por estas bandas, são quatro versõe ...

A gente gosta d’a gente

  Lembro de ler num livro literário, mais de uma vez, não sei mais de quem nem quando, uma composição que me ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2023 REVISTAPESSOA.COM