Imagem 1599500988.jpg
Nau

O ano da morte de Ricardo Reis e os vinte centavos de 2013

Foto: Lisboa. Arquivo Fotográfico de Lisboa. Reprodução



2020-09-09

Porém, ao contrário de Ricardo Reis, que viaja a bordo do Highland Brigade, nós prosseguimos nesta NAU. Aliás, há quanto tempo estamos no mar, navegando contra a corrente? Mal comparando, enquanto a Europa viveu guerras extensamente noticiadas e rememoradas, aqui experenciamos guerras não declaradas e naturalizadas. Se incendeiam um ônibus na periferia, isto não é uma barricada?

 

1936, O ano da morte de Ricardo Reis, é um desses anos que não acabam: tempos em que o mar prepara uma tempestade, obstinado a destruir tudo a sua volta.

Para assistir ao “espetáculo” dessa tormenta, José Saramago embarca o heterônimo pessoano em um navio, de volta a Portugal, nos últimos dias de 1935 – cerca de um mês após a morte de seu criador. Assim, Ricardo Reis regressa do Brasil, onde se encontrava em autoexílio, e vive em Lisboa o ano de 1936, período no qual se passa a história desse que é um dos romances mais bem construídos por Saramago.

Do...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Paula Fábrio

Nasceu em São Paulo, onde mora. É doutora em Literatura pela USP. Autora de Desnorteio (de 2012), romance vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura, e Um dia toparei comigo (de 2015), livro finalista do mesmo prêmio. No corredor dos cobogós (Edições SM) é sua primeira obra juvenil.

 

 




Sugestão de Leitura


500 mil mortes

Nau
  Não há um porto seguro para esta NAU. Não há. E mesmo quando o mar, num futuro já calmo, avanç ...

Golpe

Nau
  Entre os anos 2016 e 2018, houve no Brasil uma transição legalista de governo, mas (e esse “mas” é ess ...

Só os poetas me comovem

Nau
  Penso que todo bom poeta deveria escrever uma certidão de óbito.  Conceição Evaristo compôs uma ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM