Imagem 1599500988.jpg
Nau

O ano da morte de Ricardo Reis e os vinte centavos de 2013

Foto: Lisboa. Arquivo Fotográfico de Lisboa. Reprodução



2020-09-09

Porém, ao contrário de Ricardo Reis, que viaja a bordo do Highland Brigade, nós prosseguimos nesta NAU. Aliás, há quanto tempo estamos no mar, navegando contra a corrente? Mal comparando, enquanto a Europa viveu guerras extensamente noticiadas e rememoradas, aqui experenciamos guerras não declaradas e naturalizadas. Se incendeiam um ônibus na periferia, isto não é uma barricada?

 

1936, O ano da morte de Ricardo Reis, é um desses anos que não acabam: tempos em que o mar prepara uma tempestade, obstinado a destruir tudo a sua volta.

Para assistir ao “espetáculo” dessa tormenta, José Saramago embarca o heterônimo pessoano em um navio, de volta a Portugal, nos últimos dias de 1935 – cerca de um mês após a morte de seu criador. Assim, Ricardo Reis regressa do Brasil, onde se encontrava em autoexílio, e vive em Lisboa o ano de 1936, período no qual se passa a história desse que é um dos romances mais bem construídos por Saramago.

Do...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 3.50

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


ASSINATURA

DESDE R$ 39.00

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$ 3.50

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


ASSINATURA

DESDE R$ 39.00

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Paula Fábrio

Nasceu em São Paulo, onde mora. É doutora em Literatura pela USP. Autora de Desnorteio (de 2012), romance vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura, e Um dia toparei comigo (de 2015), livro finalista do mesmo prêmio. No corredor dos cobogós (Edições SM) é sua primeira obra juvenil.

 

 




Sugestão de Leitura


Só os poetas me comovem

Nau
  Penso que todo bom poeta deveria escrever uma certidão de óbito.  Conceição Evaristo compôs uma ...

Não leiam delicados este texto

Nau
  “A memória longínqua de uma pátria/ Eterna mas perdida e não sabemos/ Se é passado ou futuro o ...

Da inutilidade de oitenta anos

Nau
  “Basta que se prometa a eternidade para fundar uma religião. Basta que se dê a ordem de matar para que abatam tr&eci ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM