Imagem 1603815950.jpg

Entre línguas

Foto: Alina Grubnyak



2020-10-28

Mas pensei que a experiência de viver entre línguas em alguma medida nos afeta a todos e todas, dentro de nossas próprias línguas maternas. É, obviamente, uma outra camada ou intensidade de experiência, mas não é qualitativamente diferente, talvez, de viver num falar nordestino num Brasil de elites sudestinas; ou de falar “caipira” em qualquer lugar que se sinta “o centro”, algo que quase nada tem de geográfico; de falar “errado” onde as pessoas têm escola; de abrir a boca em qualquer canto e logo ser identificado/a por uma pronúncia de R, de S ou de vogal.

 

Em que língua será sua velhice senil? A minha eu sei, mas talvez haja dúvida sobre minha fluência, sobre a maneira como nos trataremos – eu e o português – quando meu corpo já estiver menos vivo que as palavras.

Aprendi minha língua no berço. Era um português de pessoas simples, mas estudadas, ao menos o núcleo parental mais próximo. Lembro que tive prazer em aprender a falar. Experimentava alguns sons como se fossem doces. Lambia e estalava outros. Quando descobri os sotaques, passei a experimentá-los também. Até hoje, às vezes leio um texto em voz alta com pronúncia pernambucana, carioca...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ana Elisa Ribeiro

É mineira de Belo Horizonte, onde trabalha e reside. É professora e pesquisadora do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, onde atua na área de Linguagem e Tecnologia, em três níveis de ensino. Publicou mais de trinta livros para crianças, adolescentes e adultos, sendo os mais recentes os poemários Álbum (Relicário, 2018) e Dicionário de Imprecisões (Impressões de Minas, 2019). É colunista do Digestivo Cultural e da Revista Pessoa. Fotografada por Sérgio Karam.




Sugestão de Leitura


Esses, erres e o bafafá

  Tive um amigo gringo que achava a coisa mais esquisita do planeta que, em português, existisse um verbo para levar e outro para t ...

Objeto indireto

  Fui pôr o lixo para fora, na rua, numa sexta-feira à noite. O caminhão nem tinha apontado ainda, não ouvi o ...

Vírgulas a mais

  Já escrevi tanto sobre a revisão de textos. Há anos me dedico a tratar dessa tarefa como algo nobre nos ciclos de ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM