Imagem 1620742203.jpg

O não humanismo dos vegetais

Foto: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Por Evando Nascimento



2021-05-10

"...se o humanismo tradicional falhou na função de reduzir as iniquidades humanas, cabe hoje lutar por outro humanismo. Um humanismo outro, que seja de fato instaurador de novas relações com as formas de vida vicinais: os viventes vegetais e animais, e todos os não viventes minerais. Sem isso, nossa humanidade terá fracassado na árdua tarefa da sobrevivência, deixando-se arrastar por suas piores pulsões (auto)destrutivas.

 

[...] e entre todos eles, principalmente, o capitão Celestino, que tendo começado a vida como pirata a acabou como um santo, cultivando com esmero um quintal de que ainda hoje me não lembro sem inveja.

Raul Brandão, Os pescadores

 

 

O último livro de Djaimilia Pereira de Almeida, A visão das plantas, um dos vencedores do Prêmio Oceanos de 2020, traz um enredo perturbador, em múltiplos sentidos. Na edição brasileira da Todavia, é uma novela de oitenta e cinco páginas, que narra o final da vida de um pirata e, principalmente, traficante negreiro aposentado. O pouco...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Evando (Camacã) Nascimento

Nasceu em Camacã (Bahia). Publicou os livros de ficção Retrato Desnatural: diários 2004-2007 (Record, 2008), Cantos do Mundo (Record, 2011, finalista do Prêmio Portugal Telecom, atual Oceanos), Cantos Profanos (Globo, 2014), A desordem das inscrições: contracantos (7Letras, 2019) e Diários de Vincent: impressões do estrangeiro (Circuito, 2021). Fez Doutorado na UFRJ. Nos anos 1990, foi aluno de Jacques Derrida (na EHESS) e de Sarah Kofman (na Sorbonne). Em 2007, realizou um Pós-Doutorado em Filosofia na Universidade Livre de Berlim. Ministrou cursos e palestras em instituições como a Universidade Federal de Juiz de Fora, a Universidade de Paris e a Universidade de Viena, entre outras. Ensaios: Derrida e a literatura (3ª. ed., É Realizações, 2015, traduzido em 2021 pela editora argentina La Cebra), Clarice Lispector: Uma Literatura Pensante (Civilização Brasileira, 2012) e, com Derrida, La Solidarité des vivants (Éd. Hermann, 2016). Site.




Sugestão de Leitura


Os indígenas e a preservação ambiental

  Ailton Krenak, pertencente à etnia indicada por seu sobrenome, tornou-se uma das vozes mais importantes no que diz respeito &agr ...

O Holocausto vegetal e o suicídio coletivo

  Tentando recomeçar Durante três meses deste ano, de julho a setembro, a pesquisa para o livro que estou escrevendo sobr ...

Notas sobre o coronavírus e a sobrevivência das espécies

  Na segunda semana de março, provavelmente fui infectado pelo coronavírus e tive Covid-19. Digo “provavelmente&rdquo ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM