Imagem 1631884303.jpg

A poesia que se permite filosofar

Foto: Juliano Pessanha. Bob Wolfenson. Divulgação



2021-09-27

Na vida de Frederico, apenas o amor consegue escapar aos espelhamentos do eu, o amor pela mulher e o amor pelo cão. Existe uma especificidade nesse amor que não é capturado por espelhos. Um amor tipicamente contemporâneo porque continuamente ameaçado pelo tempo e porque não tem a função de preencher os buracos no peito de Frederico abertos pela falta de sentido da vida. O amor aparece como a parte não contaminada pela busca exaustiva do eu fugidio que se multiplica ininterruptamente. O amor é a única coisa que situa o narrador no mundo da vida, quando ele descobre, um pouco atônito e atordoado, que amar é sinônimo de cuidar. Cuidar de si, inclusive.

 

O filósofo no porta-luvas (todavia, 2021), livro recém-lançado de Juliano Garcia Pessanha, remete o leitor a um inusitado jogo de espelhos. É como se o autor-protagonista se posicionasse entre dois espelhos, um na frente do outro, e sua imagem se multiplicasse ao infinito, como réplicas de uma fuga de si.

O protagonista Frederico, o terapeuta-guru, o amigo Kazuo e o escritor podem ser lidos como desdobramentos de um mesmo, porém duplo, personagem: o autor-protagonista, tamanho grau de simbiose e complementação. Todos são, portanto, personagens complexos que permitem interpretações variadas, e a narrativa conduz o leitor para o campo filosófico por meio...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ana Cristina Braga Martes

É socióloga e foi professora da Fundação Getulio Vargas até 2019, de onde saiu para se dedicar integralmente à literatura. Nascida em Varginha (MG), passou sua infância e juventude de São Carlos (SP), formou-se em Ciências Sociais pela UNESP/Araraquara, fez mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo (USP) com bolsa sanduíche no Massachusetts Institute of Technology (MIT). Foi Pesquisadora Visitante na Universidade de Boston (BU) e fez pós-doutorado na Universidade de Londres (King’s College). Publicou e organizou diversos artigos e livros acadêmicos. A origem da água é seu primeiro livro de ficção. 




Sugestão de Leitura


Não existe amor em SP?

  "Mudar de cidade é mudar de vida. Redefinições de identidade de gênero são providenciais nessa h ...

Louca por quê?

                        & ...

Família, opressão social e sangue

  A família, uma das mais antigas instituições sociais, e cuja derrocada é constantemente alardeada, é ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2021 REVISTAPESSOA.COM