Imagem 1651236688.jpg

A nova censura

Foto do acervo do autor



2022-04-29

 

Mesmo calada a boca, resta o peito.
Silêncio na cidade não se escuta.

Chico Buarque

 

Na universidade em que trabalho, na frente da biblioteca central, à esquerda, há quatro braças de árvore dispostas como que ao acaso sobre a grama, compondo uma forma aleatória. De passagem, um desavisado talvez pensasse que se trata do entulho de uma poda não concluída. Não é esse o caso. Os quatro pedaços de árvore são um monumento aos quatro alunos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) mortos pela Ditadura Civil-Militar brasileira, regime que desgraçou o país de 1964 a...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


MICROPAGAMENTO

R$ 6.80

ou

€ 1,10

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.


  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Ewerton Martins Ribeiro

Nasceu em 1981 em Belo Horizonte, Minas Gerais, no Brasil, onde vive. Além de escritor de ficção, é jornalista e servidor da Universidade Federal de Minas Gerais, onde também atua como pesquisador. É mestre (2015) e doutor (2021) em literatura pela Faculdade de Letras da UFMG. Parte da pesquisa de seu doutorado, que resultou em uma tese sobre autoficção que é simultaneamente uma obra de autoficção, foi realizada na Universidade de Coimbra, em Portugal, entre 2018 e 2019, subsidiada por bolsa oferecida pela Fundação Calouste Gulbenkian. Publicou A Grande Marcha (editoras Circuito e e-galáxia, 2014), novela que tem como pano de fundo os protestos políticos brasileiros de junho de 2013, além de contos em revistas e suplementos literários. Venceu a edição de 2018 do Prêmio Literário Cidade de Manaus na categoria Ensaio sobre literatura.




Sugestão de Leitura


O tempo dos besouros-de-maio

  por um amigo não saberia morrer mas saberia viver por um amigo para que sua palavra morta escalasse ainda o gosto de minh ...

Réquiem para Eneida

  Estrelas árvores estrelas E o silêncio fresco da noite deserta. Belo Horizonte desapareceu Transfigurada nas recorda&cc ...

Pode acontecer

  E afinal chegamos ao triste ponto em que estamos hoje em dia: [...] Carnaval morreu, se acabou. Rachel de Queiroz, 1949   ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2022 REVISTAPESSOA.COM