Imagem 1-194x300.jpg

O dia em que Ernest Hemingway morreu crucificado



2014-08-13

Como poucos escritores de sua época, o mineiro Roberto Drummond se dedicou a inscrever na própria estrutura de suas obras a problemática da literatura no novo cenário da produção industrial de ideologia. Menos que um “panfleto anti-imperialista”, o que seria segundo a definição de Glauber Rocha, seu romance de estreia, O dia em que Ernest Hemingway morreu crucificado (1978) é um experimento nos limites do nonsense com a ânsia de expressar a perplexidade dos brasileiros diante da inserção violenta e definitiva do seu país na órbita do capitalismo norte-americano, com todas as implicações simbólicas que ela trouxe para qualquer pessoa...

Continuar lendo

AINDA NÃO TEM PLANO? SELECIONE:

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA



  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição

MICROPAGAMENTO

R$1,99

APENAS ESTE ARTIGO

  1. Você pode acessar apenas o artigo que pretender ler. Faça um micropagamento para baixa-lo. É facil.

  2. A compra avulsa de um artigo não dá acesso ao conteúdo integral da revista.

ASSINATURA

DESDE R$12,90

PARA TODO O CONTEÚDO DA REVISTA





  1. - Prioridade na participação de eventos organizados
  2. - Descontos em títulos lançados pela Pessoa
  3. - Envio de newsletter com os destaques da edição
  1. As assinaturas e os micropagamentos são necessários para manter a Revista Pessoa

  2. Precisa de ajuda ou mais informação?
  3. Entre em contato:
  4. revistapessoa@revistapessoa.com


Flávio Rodrigo Penteado
Flávio Rodrigo Penteado (São Paulo, 1987) é formado em Letras e mestrando em Literatura Portuguesa pela USP. Fez estágio de pesquisa na Universidade Nova de Lisboa. Desenvolve estudos centrados na relação entre teatro e literatura. Responsável pelo estabelecimento de texto dos Contos de aprendiz, de Carlos Drummond de Andrade (Cia das Letras, 2012). Prefaciou a coletânea Devotamento é Dever: Mário de Andrade no Departamento de Cultura de São Paulo, cuja organização divide com Carlos Augusto Calil, a ser publicada pela Imprensa Oficial.



Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM