Golgona Anghel

Golgona Anghel (n. 1979) licenciou-se (2003) em Estudos Portugueses e Espanhóis na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde, mais tarde, iria concluir o doutoramento (2009) em Literatura Portuguesa Contemporânea. Desde 2009, desenvolve a sua atividade de investigação no âmbito de um projeto de pós-doutoramento, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Publicou vários livros de ensaio — Eis-me acordado muito tempo depois de mim, uma biografia de Al Berto (Quasi Edições, 2006), Cronos decide morrer, viva Aiôn, Leituras do tempo em Al Berto (Língua Morta, 2013). Mais recentemente, preparou uma edição diplomática dos Diários do poeta Al Berto (Assírio & Alvim, 2012). Com uma mão numa salada de ovas de bacalhau e outra numa caneta de tinta permanente, escreve, hoje, sem trégua, espalha doenças, alimenta casos perdidos, parte os dentes dos curiosos passageiros. Tudo isto está devidamente registado: Crematório Sentimental (Quasi Edições, 2007), Cómo desaparecer (Diputación de Málaga, 2011), Vim porque me pagavam, (Mariposa Azual, 2011), Como uma flor de plástico na montra de um talho (Assírio & Alvim, 2013).
Recomendado

Vem, vem apenas

2016-09-20
Fingimento - seção portuguesa
Na poesia mais recente que tem surgido em Portugal, destacam-se algumas vozes femininas, como Golgona Anghel, Filipa Leal, Margarida Ferra ou Inês Fonseca Santos. Apr ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM