Maria João Cantinho

Nasceu em Lisboa em 1963. Passou a infância em Angola e regressou em 1975 a Portugal. Doutorada em filosofia contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa, é actualmente professora do secundário. Tem publicada obras de ficção (5 livros), de poesia (4 livros) e de ensaio (2 livros). Foi vencedora do Prémio Glória de Sant’Anna pelo seu livro de poesia Do Ínfimo (Coisas de Ler, 2016) e nomeada finalista pelo Pen Clube português pela mesma obra. Publicou recentemente Asas de Saturno (editora Exclamação, 2020) e Walter Benjamin: Melancolia e Revolução (Editora Exclamação, 2019). Tem colaborado regularmente com diversas revistas como JL, Revista Colóquio-Letras e publicações académicas. É investigadora auxiliar do CFUL (Universidade de Lisboa) e do Centre d’Études Juives, na Sorbonne IV. É membro do PEN Clube português (tendo pertencido à direcção entre 2009-2019), da APE e da APCL (Associação Portuguesa de Críticos literários). Fotografada por Vitorino Coragem.

Recomendado

Mulheres na Literatura portuguesa

2020-05-22
Tabacaria
  O facto de a nossa história não reconhecer a importância das mulheres nem o seu contributo para as mais diversas áreas não signific ...

Carta à Ana Cristina

2020-05-05
Cartas de um outro tempo
  Querida Ana Cristina, Oiço música e escrevo-te. Os meus dias de quarentena têm-se passado assim: entre livros e música, além do ...

O coice brutal da experiência do quotidiano

2019-02-04
Não me Importo com as Rimas
  Reunindo neste livro duas partes, intituladas respectivamente «Telhados Longínquos» e «Rua antes do Céu», cujo capítulo ...

João Barrento apresenta vários aspectos da figura de um prodigioso Goethe

2018-06-01
Terceiro Caderno
  Qualquer aproximação a um génio multiforme como Goethe é uma tarefa de risco. Não poderíamos classificá-lo sen&atild ...

Um convite ao «descarrilar» da leitura

2018-02-27
Terceiro Caderno
  Dizia Roberto Calasso, em Os Quarenta e Nove Degraus, que Benjamin era um exegeta pelo modo como «se escondia por detrás de montões de material a ...

Um gesto de sobrevivência

2017-12-19
Terceiro Caderno
  Numa entrevista concedida a Isabel Lucas, no Ipsílon (Público, 29.07.2017), Helder G. Cancela fala de um «silêncio quase absoluto» co ...

Lusofonia, que tal falar de abertura?

2017-08-18
Tabacaria
Muito a propósito do assunto, deu recentemente Luís Filipe Castro Mendes uma entrevista ao jornalista João Céu Silva, do Jornal DN (Diário d ...

Por dentro dos jacarandás

2017-08-03
Fingimento
Desdobrar a sombra   Desdobrar a sombra para que da escuridão se faça ainda o amplo passo da luz nos nomes que há por dentro da maté ...

Liberdade imaginativa com disciplina formal

2017-07-30
Não me Importo com as Rimas
  (…)Abracemos o vento, como Ariel, ou como Caliban. Radiantes. António Cabrita, “Quadras”, 10, p. 20.     Arredado do ...

Um olhar original e ambicioso sobre os contemporâneos

2017-04-24
Não me Importo com as Rimas
  O poeta, romancista e ensaísta Helder Macedo é um dos autores mais incontornáveis da cultura portuguesa. Apesar de razões política ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2020 REVISTAPESSOA.COM