Ricardo Domeneck

Ricardo Domeneck nasceu em Bebedouro, São Paulo, em 1977. Lançou os livros Carta aos anfíbios (Bem-Te-Vi, 2005), Sons: Arranjo: Garganta (Cosac Naify/7Letras, 2009) e Ciclo do amante substituível (7Letras, 2012), entre outros. É coeditor das revistas Modo de Usar & Co. e Hilda. Colaborou com revistas literárias brasileiras e estrangeiras, como Cacto (SP), Inimigo Rumor (RJ), Quimera (Espanha), Green Integer Review (Estados Unidos), Belletristik (Alemanha), entre outras, e seus poemas foram traduzidos para o alemão, inglês, castelhano, catalão, francês, holandês, esloveno, sueco e árabe. Trabalha com vídeo e a fronteira textual entre o oral e o escrito, apresentando este trabalho em espaços como o Museu de Arte Moderna (Rio de Janeiro), Museo Reina Sofía (Madri), Espai d´Art Contemporani (Castelló-Valéncia), Museo Experimental El Eco (Cidade do México) e Akademie der Künste (Berlim).  Encontra-se no prelo ainda uma antologia de seus poemas em tradução de Bart Vonck para o holandês, a ser lançada em junho pela editora Stichting Perdu, de Amsterdã.
Recomendado

A lista de ninharias

2016-06-28
Tabacaria
Ninharias. Essas mixarias nossas, nós que mal somos. Sonsos. Morrendo de sono. Quem eu penso que eu sou, nessa balbúrdia de histórias desencontradas? Um. Ninguém. Ninguém s ...

Bilhete dos hoplitas aos que leem sobre as Portas Quentes nas termas de Poços de Caldas

2015-04-21
Fingimento - seção brasileira
"I was neither at the hot gates Nor fought in the warm rain" T.S. Eliot    Bilhete dos hoplitas aos que leem sobre as Portas Quentes nas termas de Poços de Caldas ...

Odes a Maximin

2014-10-15
Fingimento - seção brasileira
Texto em que o poeta celebra a língua e a sintaxe de Maximin Não me importaria se tão-só de plosivas vivesse o homem, Maximin, desde que se oponham apenas temporários os ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2019 REVISTAPESSOA.COM