Cláudia Lucas Chéu

Portugal (1978). Tem publicados textos para cena Glória ou como Penélope Morreu de Tédio; Violência — fetiche do homem bom, pelas edições Bicho-do-Mato/Teatro Nacional D. Maria II; A Cabeça Muda, pela Cama de Gato Edições; Veneno (Colecção Curtas da Nova Dramaturgia), Edições Guilhotina, 2015. Em prosa poética, publicou o livro Nojo (2014), (não) edições. E em poesia, o livro Trespasse, Edições Guilhotina, 2014 e Pornographia (poesia), Editora Labirinto, 2016. Em 2017, foi publicado o seu livro Ratazanas (poesia), pela Selo Demónio Negro, em S. Paulo (Brasil). Publicou, em 2018, o seu primeiro romance Aqueles Que Vão Morrer, Editora Labirinto, e Beber Pela Garrafa (poesia), pela Companhia das Ilhas. Em 2019, foi editado A Mulher-Bala e outros contos, Editora Labirinto. Acaba de sair pela editora Companhia das Ilhas, o seu primeiro livro de poesia confessional — Confissão. É mãe. Vive mal sem caminhadas, Bach e batatas fritas.

Recomendado

Para Maria Quintans

2020-03-29
Cartas de um outro tempo
   Lisboa, 26 de Março de 2020   Querida, mais-do-que-querida amiga, mãe fictícia e adoptada, não sei responder-te nessa vo ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2020 REVISTAPESSOA.COM