No lugar de sempre

  Parou o táxi na rua Thompson como fazia há 25 anos. Considerando o movimento do Soho, ali era um reduto quieto, especialm ...

"Será que sorte e nascido cabem na mesma frase?"

  Felipe Franco Munhoz é formado em Comunicação Social pela Universidade Federal do Paraná. Recebeu ...

A invisibilidade do negro na fotografia portuguesa

  Durante quase dois meses ando a esmo pelas ruas de Lisboa. O frio e a chuva são intensos, os ossos doem. Os poucos dias de sol e ...

A força entre o choque e a delicadeza

  O ritmo intermitente da série de poemas que abre Ano Novo, segundo livro de poesia de Leila Danziger, reconhecida artista pl&aac ...

Duas cartas de amor

  Uma carta de amor me chega às mãos. Encerrada em um livro, a pequena aba que fecha o envelope tem o retrato de um casal, ...

A deriva Walseriana

  Em 2010 me vi em uma situação difícil que desaguou em uma crise de depressão e estresse cujo resultado foi ...

Lusofonia, que tal falar de abertura?

Muito a propósito do assunto, deu recentemente Luís Filipe Castro Mendes uma entrevista ao jornalista João Céu Silva, ...

Fingir. Variações

  I – ESTÁ FALANDO COMIGO?   O espelho da cena de Táxi driver em que o motorista mirando-se nele repete c ...

O nome das coisas

  O brasileiro é “apelidador” por excelência e, volta e meia, este fenômeno cultural vem me atazanar na tr ...
Desenvolvido por:
© Copyright 2017 REVISTAPESSOA.COM